Manual para jornalistas: Aner e STF trabalham em ações contra a desinformação

Material inclui perguntas e respostas que buscam colaborar com o entendimento dos trâmites processuais.

26/06/2024 18:56 - Atualizado há 3 semanas atrás

A Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) entregou, nesta quarta-feira (26), ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, a primeira versão de um manual de perguntas e respostas que vai colaborar para que os jornalistas que cobrem pautas sobre a Corte possam entender melhor como funcionam os trâmites processuais.

Acesse aqui o manual para jornalistas.

O manual foi criado pela Aner em parceria com as secretarias de Comunicação Social e de Relações com a Sociedade, do STF.

O objetivo é ampliar a capacitação dos jornalistas, para que as matérias publicadas na imprensa traduzam a realidade dos ritos processuais e consigam levar ao público o que está acontecendo na Casa.

“O país nunca precisou tanto de uma imprensa profissional, livre e independente. O melhor antídoto contra a desinformação, a mentira deliberada e os discursos de ódio é a informação correta, apurada com profissionalismo e ética pelo jornalismo de qualidade”, diz o ministro, no prefácio do manual.

Manual estará em constante aprimoramento

A primeira versão do documento, que pretende ser uma obra em constante evolução, com o acréscimo de novas perguntas, foi entregue ao ministro Barroso pelo presidente da Aner, Rafael Soriano e pela diretora-executiva Regina Bucco, que coordenou o trabalho em parceria com o STF.

“Para a Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) é uma grande satisfação participar da criação deste projeto ao lado de uma instituição como o Supremo. Não só pela importância da Corte, mas pela conformidade de objetivos das duas instituições em avançar pela modernização de processos, por tornar mais claras as relações entre a sociedade, a imprensa e o poder público”, disse Rafael.

Cartaz da campanha da Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner). Ao fundo, textura de papel amassado. Sobre o papel, o desenho de uma mão fazendo "para". Abaixo, aparecem as palavras fake news, com um x por cima. No cartaz está escrito o nome da campanha: “Nosso lado é o da Informação”

Campanha contra desinformação também nas redes sociais

Além do manual, a Aner mantém no ar a campanha que desenvolve, desde o fim de maio, contra a desinformação na tragédia do Rio Grande do Sul.  

Com o lema “Nosso lado é o da Informação”, a campanha foi iniciada pela Aner com o apoio de instituições como a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Associação Nacional de Jornais (ANJ), Projeto Comprova e Instituto Palavra Aberta.

Com o tempo, vieram novos apoiadores, como o STF, o Meio&Mensagem e a agência Alright, dedicada ao desenvolvimento de veículos de notícias locais.

A campanha, que está no ar nas redes sociais da Aner e dos parceiros e apoiadores, é composta por cards e vídeos que estimulam o público a verificar as mensagens antes de repassar, para evitar o pânico e a desinformação na situação de crise que o Rio Grande do Sul enfrenta.

Também participam da campanha as jornalistas Luisa Alcantara e Silva; Talita Burbulhan, do Estadão; e Bruna Bruna Buffara, do Canal Meio.

“Estamos vendo o desenrolar da crise de comunicação, no Sul, com instituições sérias de jornalismo operando em situação precária e tendo dificuldade para combater fake news e desinformação. Precisamos colaborar de alguma forma para que o público entenda a responsabilidade de repassar os boatos sem checagem”, explicou a diretora-executiva da Aner, Regina Bucco, no lançamento da campanha. 

Conteúdo acessível em Libras usando o VLibras Widget com opções dos Avatares Ícaro, Hosana ou Guga. Conteúdo acessível em Libras usando o VLibras Widget com opções dos Avatares Ícaro, Hosana ou Guga.

Uso de cookies

O Portal do STF coleta dados, por meio de cookies ou dos navegadores, a fim de cumprir obrigação legal, permitir a melhor navegação ou para fins estatísticos. Para saber mais, acesse a página do STF sobre a LGPD